segunda-feira, setembro 14, 2009

Indignação nacional começa em casa

Por José Andersen*

É fácil e até politicamente correto, conforme vocabulário em voga, indignar-se com os atos corruptos, nepotistas e até imorais, no mínimo, de alguns dos nossos políticos.
Fácil de comentar, mostrar indignação, condenar e, logo depois, esquecer e levar a vida como ela é. Expressar a indignação e esquecer parece ser a regra.O difícil mesmo está em reconhecer nossos “pequenos delitos” no dia a dia, aqueles para os quais, pensando bem, sempre temos uma justificativa na ponta da língua e a consciência deles pouco presente. Mas que são a origem de tudo que talvez venha a acontecer conosco um dia.
O dia está começando e nos damos o direito de estacionar, mesmo por momentos, em cima da faixa de segurança dos colégios, pois é mais prático ali deixar o filho, mesmo que com isso, além de expressamente proibido na legislação de trânsito, coloquemos em risco os outros alunos que por ali fazem sua passagem ao atravessar a rua. Mas isso continua acontecendo todos os dias.E continuamos por aí afora no trânsito de cada dia, sempre achando que a razão está conosco e no final das contas, mesmo, não vai dar nada... estacionar em lugar proibido, obstruir o cruzamento, passar pelo sinal fechado, estacionar na frente da garagem dos outros, cortar pela direita, enfim, facilitar a nossa vida mesmo com essas “pequenas infrações”, já que as “grandes” são obra dos nossos políticos!E a lista das “pequenas infrações”, aquelas que nos permitimos em nome da relatividade, vai aumentando. Não só no trânsito, mas no trabalho, na escola, na faculdade e até nos nossos momentos de lazer – ultrapassar pelo acostamento fica valendo, já que filas e engarrafamentos na ida para a praia são para os outros. Beber na frente dos filhos e dirigir. Cinto de segurança nos pequenos, para que mesmo? Aliás, só usamos os nossos para evitar as multas... Pare na saída dos colégios e veja quantos são os pais que colocam o cinto de segurança nos filhos pequenos.
Fica evidente a nossa hipocrisia social e até o oportunismo ao nos indignarmos publicamente nos jornais e outros meios de comunicação sobre os acontecimentos nacionais, enquanto em casa somos complacentes conosco mesmos, citando a impunidade de alguns de nossos políticos.
Isso tudo vai funcionando assim até o dia em que a soma dos nossos “pequenos delitos” acaba causando um dano considerável e, pior, quando envolve nossa própria vida pessoal, seja um acidente fatal ou uma morte inesperada, fruto da sociedade que nós mesmos criamos e na qual vivemos. Surge o momento da dor.Momento, infelizmente tardio, em que nos indignamos e protestamos, através de passeatas e outros atos públicos, em busca de uma “consciência” social que deveria já estar presente nos nossos atos diários de convivência com nossos próximos e com todos os outros. Que bom seria para a sociedade que essa cons-ciência em relação aos “pequenos” delitos surgisse antes do dano acontecido, da vida perdida, da agressão sofrida, que tiveram sua origem na nossa própria indulgência.
Pense nos pequenos atos do seu dia a dia.
*Médico perito
Fonte:Zero Hora 11/09/09

19 comentários:

Ângela Coelho disse...

Concordo e assino embaixo desta postagem. A educação começa em casa.
Beijos.

ZildaeAntonio disse...

Querida Mariana
A sua postagem requer reflexão de muitos. A consciência de algumas pessoas está mesmo adormecida para "pequenos" delitos, principalmente se são cometidos por elas mesmas.
Quando morávamos no Rio de Janeiro, já sofri algumas agressões verbais por reclamar de delitos dessa natureza. As pessoas que os cometem acham que têm pouca importância, mas quando a consequência os atinge, tudo muda de figura.
Um abraço fraterno e tudo de bom!

Joe disse...

Olá. Soube muito bem ler o seu comentário no meu blog. Espero que volte cá. Agora estou sem tempo, mas mais tarde farei uma visita mais longa por aqui para ler os seus conteúdos. Obrigado!

http://detrasdasombra.blogspot.com - Livro prestes a sair.

Anônimo disse...

É isso aí. Concordo plenamente. A educação começa por nós, em nossa casa, para nossos filhos. Abraço do Éverton.

Antonio Paulo disse...

A Dora postou há poucos dias no seu blog. " Espelho" quem leu sabe e lendo seu blog minha colorada amiga sofrida pelo hoje rescussitado Cruzeiro.Que essa mensagem encaixa-se com aquela. Antes de criticarmos vamos nos postar diante desse espelho.

Angeles disse...

Creo que esa conciencia empieza en cada uno, quizás los pilíticos nos reflejen, a veces uno se siene un poco tonto por hacerlo, porque todos te pasan por encima, igual creo que es el camino y lo sigo haciendo, espero que muchos se unan a tu postura.
Beijos:)

Angeles disse...

Eu acho que a conscientização começa em cada um, talvez os políticos que refletem, por vezes, você se sente um pouco tolo para fazê-lo, porque todo mundo vai passar, como é o jeito que eu penso e eu ainda espero que muitos se juntam sua postura.

Esta es la traducción creo...es de google.

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

A casa, a família é o alicerce do indivíduo para que ele se torne um cidadão consciente. Muito boa a sua postagem, como sempre, Mariana.
Ótima semana, querida!
Beijos e o meu sorriso,
Renata Maria

angela disse...

Olhar para nós mesmos e iniciar a mudança a partir dos pequenos atos do dia a dia é um caminho longo mas muito interessante e creio que mais frutifero.
beijos

mimbre disse...

Hola Mariana...
Leo tu entrada de hoy y me viene a la cabeza un antiguo pero sabio refran:
" La caridad bien entendida empieza en casa" y yo le agrego..La educación TAMBIEN empieza en casa¡¡ Es sabido que nuestros niños son un reflejo de lo que somos en casa, niños ordenados y tranquilos, son algo poco visto hoy por hoy¡¡
Gracias por tus palabra, espero serte siempre útil,AMIGA mia¡¡¡
Un abrazo enorme
Osvaldo

Carmem disse...

Mariana!...

Acredito sim... A educação começa dentro de casa...é em casa que acontece as coisas para se viver bem e melhor...

Beijo

ONG ALERTA disse...

Mariana educação vem de dentro da casa de cada um, são os pais que educacam seus filhos e seus filhos observam os pais, suas atitudes, sua maneira de agir e se comportar e seram futuros adultos copiando o comportamento dos mesmos, não podemos confundir escola que ensina e pais que educam e dão bons exemplos, é fácil colocar a culpa em alguém mas devemos ser justos em colocar a culpa no lugar certo.
Então pais maior atenção nas suas atitudes de seu dia a dia pois seu filhos observa tudo e um dia ira fazer igual...bons exemplos , boa educação e complemento na escola...

Elaine Barnes disse...

Se todos não fizessem aos outros o que não gostariam que fizessem a si mesmos, já seria um bom começo né?! Adorei, tudo começa em casa. bjs

(Carlos Soares) disse...

Querida, Adriana.Você já disse tudo,né. A gente passa o tempo todo querendo ser mais esperto,seja na fila do banco,seja no trânsito,etc.beijosssss

Everson Russo disse...

Um lindo dia pra ti querida,,,beijos

ricardo&regina disse...

Excelente artigo,acerca da cultura da inercia,da ausencia de atitude,de civilidade!

Muito oportuna e atual,cronica essa, amada Mariana,Amiga carfissima nossa!

VIVA VIDA!

BZU!

estrella disse...

Oi Mariana, obrigado pela sua visita ao meu blog, e obrigado por suas palavras, você é muito bonita, e realmente, temos de começar a fazer algo para impedir os actos criminosos, mas devemos tornar consciente, tudo ke começa a partir de nós mesmos Temos de agir como meros espectadores porke somos cúmplices de atos, adia dia ke afectam o nosso quotidiano mais ou pelo seu post, e na verdade ke mundo diferente, teríamos, se colocarmos as pilhas todos nós, parabéns Marian, um beijo e um abraço para você, espero que eu entendi o seu artigo, não ekivoco minha opinião, as bênçãos de amor por você ..... luz das estrelas

Deusa Odoyá disse...

Minha nova e querida amiga.
Concordo plenamente com a Angela Coelho e o seu texto.
Parabéns pela escolha.
Obrigado Mariana, por visitar meu cantinho.
Espero que tenhas gostado e volte sempre.
Uma semana de muitas realizações e paz.
Beijinhos doces, minha amiga.

Regina coeli.

Pedaços de Tempo disse...

Querida Mariana,

Este texto, ou desabo do médico José Andersen, está repleto de mãos cheias de verdades, nuas e cruas.
Nenhuma delas aqui narrada é novidade para mim. Dentro do limites das minhas capacidades, luto contra este tipo de coisas, ou melhor, como eu costumo dizer aos meus amigos – Eu nado contra a corrente!

Infelizmente, na actual sociedade dita moderna, assistimos cada mais a este tipo de situações, em que se fala, fala... e, na práctica pouco ou nada se faz. É a lei do puro comodismo e do deixa para depois. Depois esse, que é definitivamente esquecido e quando chamamos atenção, fazem vista grossa como se nada tivessem haver com isso.

E porquê todo este comodismo e egoísmo nunca antes visto ???.. Na minha opinião, a sociedade vive correndo atrás da bola, a bola do dinheiro, e cada vez mais, esta e seu ganancioso modelo económico- financeiro ocidental (só não vê isso quem não quer) corre na busca insaciável de produzir lucro, mais lucro e só lucro, custe o que custar em termos de qualidade de vida das pessoas, quer em termos ambientais com impacto negativo e devastador no clima e na fauna, passando por cima de tudo e todos em nome do dinheiro e do progresso. Esta corrida tem como é óbvio efeitos no comportamento humano e nos seu valores educacionais e sócio – culturais, revelados no dia à dia conforme descreve o Dr. José Andersen.

Assim sendo, uma questão se coloca: Onde vamos parar com toda esta corrida ??? se o homem não mudar a sua atitude perante os outras e o planeta azul onde habitamos, o resultado (pelos para mim) é óbvio: COLAPSO DA HUMANIDADE! E eu nem sou uma pessoa pessimista, bem pelo contrário. Contudo, como ser humano que sou, não posso ignorar a realidade fazendo o que muitos fazem/dizem: não tenho nada haver com isso ou, pior ainda, já não é para a minha vida... Como avestruzes estúpidas que enfiam a cabeça debaixo da terra “pensando” que escondem o corpo (i.é., que fogem aos problemas).

Como evitar então o colapso??? não há solução??? não há nenhuma esperança?? Há sim! e chama-se CRIANÇAS.!
Pois, estas são a nossa última esperança para que o dia de amanhã seja melhor, mais justo, sem guerras e mais ecológico.

E como é que simples CRINÇAS podem resolver aquilo que nós os ADULTOS, actualmente não conseguimos (ou não queremos..) resolver??? A resposta é SIMPLES: ELAS SÃO O FUTURO NO PRESENTE e, como tal, cabe-nos a nós ensinar-lhes os bons valores e princípios correctos. Pois, serão elas que no futuro iram gerir o mundo e, se tiverem bons princípios e valores, certamente que não cometerão os nossos erros.

Mas isto leva então a outra questão: Como ensinar-lhes bons princípios/valores, se passamos os dias a dar exemplos do oposto??? Façam um esforço como eu faço, para evitar esses maus exemplos e, quando tal não foi possível (ou nos esquecemos deles..) muitas das vezes devido ao stress em que vivemos o nosso dia à dia, tenham então a inteligência e humildade para lhes comunicar nesse exacto momento que fizeram uma asneira e para elas não nos imitar!!!

No fundo, é ter em mente a seguinte citação: “NÃO OLHES PARA AQUILO QUE EU FAÇO MAS APENAS PARA AQUILO QUE EU DIGO!” já que a maioria dos homens tem-se revelado incapazes de actuar de forma correcta, digna de um bom exemplo!

Pensem nisto.

Abraço,
CR/de
www.carlosribeiro-photos.blogspot.com