quinta-feira, setembro 10, 2009

Ação Solidária:a segunda vida de Henrique


Eu já avisei o mundo inteiro que quero doar os meus órgãos,e também estou inscrita para a doação de medula óssea.

E tu meu amigo(a) já decidiste que queres continuar vivendo após a tua morte?
Eu amo demais a vida, quero meu coração batendo,meus olhos apreciando a beleza do mundo...por muito tempo, mesmo que sejam em outros corpos.

Vejam que linda esta história real e possível de ser repetida.

Dez anos após receber transplante dos pais, jovem estuda para ser promotor de Justiça
Pai e mãe doaram parte de seus pulmões para que o garoto fosse transplantado.

Quantas vezes um pai pode dar vida ao seu filho? Na história do casal Amadeu e Márcia Busnardo, foram duas vezes. A primeira foi no nascimento do caçula Henrique, em 13 de dezembro de 1986. A segunda foi em 17 de setembro de 1999, quando pai e mãe doaram parte de seus pulmões para que o garoto fosse transplantado.

Ontem, a família comemorou com a equipe da Santa Casa de Porto Alegre uma década do renascimento de Henrique. Atualmente com 22 anos, o jovem chegou há 10 anos na Santa Casa com apenas 12% de sua capacidade pulmonar. Vivera por cinco dias com ventilação mecânica e dependia de tubos de oxigênio. O diafragma distendido e os ombros levantados denunciavam um tentativa vã de injetar ar novo nos pulmões que, inflados em decorrência de uma bronquiolite severa, funcionavam a cada dia menos.

O garoto tinha calos no dorso das mãos porque a única posição em que conseguia permanecer era sentado, apoiado nas mãos. E assim dormia, com o peito recostado em travesseiros. Os pais, Amadeu e Márcia, se revezavam em vigília para dar conforto ao filho, mas viam impotentes a doença aumentar.

– Eu não podia mais suportar ver meu menino daquela forma, precisava fazer alguma coisa – lembra Amadeu


Partiram de Curitiba e desembarcaram em Porto Alegre em busca de uma alternativa.

Diante da carência de doadores, ouviram do cirurgião José Camargo a possibilidade de eles próprios doarem parte de seus pulmões para o filho, um procedimento até então realizado somente nos Estados Unidos.

A proposta era uma alternativa à falta de doadores de órgãos para crianças, e Henrique não poderia esperar.

– O momento mais difícil foi encarar o transplante como única solução. Não me preocupava comigo, mas com as chances de recuperação do meu filho – conta Márcia.

A mãe cedeu parte do pulmão esquerdo para o filho e o pai, o direito. Cada um perdeu cerca de 20% da capacidade pulmonar, o que atualmente não interfere na saúde deles.

Ganharam a vida do filho de volta. Em dois anos, os órgãos transplantados estavam tão adaptados que, estimulados pelo hormônio do crescimento do jovem, estavam crescendo.– Salvamos nosso filho e permitimos que outras famílias pudessem enxergar um novo horizonte de vida – destacou Amadeu sobre o ineditismo da cirurgia.

Nos anos seguintes, foram realizados outros 25 transplantes de pulmão intervivos, em que os doadores normalmente são os pais dos transplantados.

Em 73% dos casos, o procedimento foi um sucesso, e os pacientes ainda vivem.

Depois de perder três anos na escola devido às complicações anteriores ao transplante, Henrique agora cursa o segundo ano de Direito, planeja se formar e prestar concurso para promotor de Justiça.

Gosta de jogar futebol, nadar e andar de bicicleta. Cuida sozinho da medicação diária para evitar a rejeição, controlado de perto pela mãe.

Se tivesse dependido exclusivamente de doadores de órgãos já sem vida, Henrique teria morrido.

Mas a Medicina deu a seus pais a chance de lhe salvar, o que ele reconhece:– O que meus pais fizeram por mim foi muito especial.
ZERO HORA

22 comentários:

angela disse...

Ganharam um presente, possível pela capacidade de amar que demonstraram, todos os tres.
beijos

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Linda a sua postagem, Mariana! Seres humanos repletos de amor são capazes de gestos magnânimos.
O seu Blog é também lindo, provavelmente reflete a alma de quem o administra.
Obrigada pelas gentis visitas.
Beijos,
Renata Maria

Pedaços de Tempo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedaços de Tempo disse...

Querida Mariana,

Antes de mais, é de louvar a tua coragem e bondade em quereres um dia doar os teus órgãos a quem necessitar deles. Sem dúvida, um desejo nobre e de louvar que, em si, contribui para um mundo melhor.

Quanto à história aqui narrado por ti, só digo o seguinte: Amor de pais, não há igual!!!

Pela minha filha Magi, eu também não hesitaria um segundo em doar um órgão para a salvar! Mais, por ela eu daria a minha vida!

Quanto a doar órgãos a outros ainda em vida.. não! talvez por egoísmo ou, simplesmente por medo que me possam fazer falta a algum mais querido. Após a morte, não vejo qualquer problema com isso.

Obrigado por esta bela história de verdadeiro amor de pais,
CR/de

www.carlosribeiro-photos.blogspot.com

CIBELE CAMARGO disse...

Muito obrigada, Mariana
por gostar dos meus poemas e pelo
seu voto.Infelizmente só pode votar
uma vez,de cada computador.Se você puder divulgar pra mim,agradeço.Tem muita gente que
passa pelo blog e nem percebe que
estou participando do concurso de
poemas.
Ah,tem 2selos pra você no meu blog:
"BLOG DORADO" e "MASTER BLOG" ..é
todo seu
Beijos, Cibele

wcastanheira disse...

Bela matéria, atual enecessária dar ao conhecimento da população, entidades como a Sta Casa precisam ser louvadas e...reconhecidas pelo povo e autoridades, valeu, bjos, bjos, bjos...

Maria Emília disse...

Que bom ter conhecido você e a ONG Alerta. No Brasil, em S. Paulo existe uma outra Associação A Casulo, também de pais que perderam filhos, que nasceu a partir daquela que eu criei aqui e que continua a funcionar: www.anossaancora.org
Há tanta coisa bonita no Mundo, tantas pessoas que se dedicam a causas nobres. Tanta felicidade para distribuir. Estou certa que este manancial um dia inundará a terra e não mais haverá guerra.
Um grande beijinho,
Maria Emília

Paula Joaninha disse...

Mariana minha querida obrigada pela visita no meu cantinho!!!Seu blog é muito lindo.Beijinho...

Giovanna disse...

Nossa, isso é lição de vida para qualquer um *-*

Menina do Rio disse...

Uma história de amor e vida. Linda!
Parabéns pela postagem

Obrigada pela visita e pelo carinho.

Fica com um beijo de amizade

Bárbara disse...

Muito obrigada pelo comentário lá no blog,também gostei muito do seu blog e já estou te seguindo!
Beeijo ^^

Antonio Paulo disse...

Amor em dose tripla nesse caso os pais e esse filho que com certeza a cada dia agradece por ser amado de fato. Falta ainda uma conscientização maior por parte de todos. Para que doem orgãos.

seu gordo disse...

Oi! Muito bom esse tema sempre tive um PE a traz sobre esse assunto, ate que um dia assisti a um filme que retrata de forma única esse tema! E um drama emocional sobre um homem que decide ajudar sete pessoas estranhas a mudarem suas vidas com Will Smith o filme chama Sete Vidas eu recomendo e sensacional!!!! Oseu blog e ótimo estou te seguindo rsrsrr

ZildaeAntonio disse...

Querida Mariana
Mesmo de longe, meu coração não me engana, sabia ou sentia da sua nobreza de sentimentos e caráter. A respeito da doação de órgãos, graças a Deus, nossa família tem o mesmo pensamento que o seu. Queremos deixar nossos órgãos para salvar vidas e continuar vivendo. Ao lado da nossa casa,há uma família muito especial em que a mãe doou um dos rins para salvar a vida da filha, adolescente. Não me canso de admirá-la.
Lindo o seu post, muito nos emocionou!
Um abraço!
Deus a abençoe e lhe dê muitos anos de vida!

Fran disse...

Oie, obrigada pelos elogios :)
Ah, ameeei o símbolo do INTER ali do lado :D

Beeijos!

Majoli disse...

Mariana, minha querida, me emocionei demais ao ler teu post, também eu daria tudo de mim pra salvar um filho meu.

Beijos no teu lindo coração.

Rocha disse...

Olá!
Gostei do seu blog show not°10 desejo muito sucesso em sua caminhada e objetivo
Um grande abraço
http://maximumforma.blogspot.com/

ONG ALERTA disse...

Mariana as pessoas doarem é um dom, existe um preconceito muito grande de parte de religião ou até educação, agora quando um pai ou uma mãe podem fazer algo pela vida de seu filho que dom especial, muita paz e luz para esta família.

Luciana disse...

Oi também sou do RS te encontrei pelo Blog da Renata, gostei do Blog.
Bjinhos e uma boa noite

Barbara disse...

É um modo de ajudar a ciência que trabalha em prol da vida.
Isso é bom de fazer sim, quando a outra ciência espalha vírus por aí e põem culpa em aves e porcos...

Mahria disse...

Obrigada pela visita meu anjo.
Continue acreditando nas mtas formas de amar. Amando o próximo, como vc faz sendo doadora e propagando esse ato de amor...

Bjinhos em ti
Mah

Dalton França disse...

Olá Mariana!
Ao publicar esse post sua ação, além de solidária, foi igualmente dignificante. Parabéns!
Um grande beijo!