sexta-feira, julho 04, 2008

Nordeste enfrenta alto risco de desertificação


Baixos índices de precipitação e atividade agrícola inadequada podem prejudicar região.Fenômeno é uma tendência que se observa em outras regiões do mundo.
O aumento das temperaturas mínimas no planeta, os baixos índices de precipitação e a atividade agrícola inadequada podem levar parte do Nordeste à desertificação. A afirmação é do professor Augusto José Pereira Filho, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas, da Universidade de São Paulo (IAG - USP).
De acordo com o especialista, o processo de desertificação é uma tendência que se observa em outras regiões do mundo, com a Austrália, os Estados Unidos e a China. Parte do crescente aquecimento global, segundo o professor, é causada pelo efeito estufa (conseqüência da alta concentração de gás carbônico na atmosfera) e pelo aumento da atividade industrial e de urbanização. Vale destacar que os dados apontam estimativas, e podem sofrer variações não previstas pelos estudos. “As causas são muito mais complexas do que aparentam, porque derivam da interação entre a atmosfera, a hidrosfera, entre outras coisas. São tantas as variáveis, que temos uma grande incerteza sobre o futuro”, afirma Pereira Filho. Em 100 anos, segundo estudos realizados pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), a concentração de gás carbônico tende a dobrar e aumentar ainda mais a temperatura do planeta. Os dados foram apresentados no 2º Encontro Nacional sobre Mudanças Climáticas, realizado nesta semana, em São Paulo. “Estamos correndo contra o relógio”, afirma o presidente da Associação Brasileira de Ecologia e de Prevenção à Poluição (Abeppolar), Randolpho Marques Lobato.
Fonte:G1

Um comentário:

Antonio Paulo disse...

Cara Mariana não quero dramatizar mas:

Num período bem próximo
Todos de uma futura geração
Falarão de um País que foi varonil
E caminharão por grande deserto
Que um dia foi chamado BRASIL.