terça-feira, julho 20, 2010

A polêmica Lei da Palmada


Está claro que gerou polêmica e debates,pessoas contras ou não, sobre a Lei que proíbe pais darem palmadas nos filhos.
Não pode existir uma lei,se ela é impossível de ser fiscalizada, pois com as leis que são "possíveis" não ocorre a fiscalização.
Como o "governo" poderá "fiscalizar" cada lar que tenha filhos menores?
O único lado positivo que vejo é o tema debatido, a maneira de educar e tratar as nossas crianças.
Toda criança tem direito a um lar,alimento, educação, segurança e principalmente amor, mas não é esta a nossa realidade.
A criança deve viver num ambiente de amor, de respeito..
Para educar não é preciso agredir, há diálogo e castigo, e é assim que educo meu filho que tem 14 anos.
(Quando criança e adolescente, apanhei muito da minha mãe, pois sempre fui muito rebelde, questionava com a mesma intensidade que faço hoje. O que não aceitava por achar errado, queria respostas e sempre vinha em forma de "surra".
Isto não me intimidava, continuava rebelde e "apanhando", claro
.)
Educo o meu filho bem diferente como fui educada, se ele errar, oriento e quando necessário aplico castigo.
Nunca acreditei que surrar fosse a maneira correta de corrigir.
Posso garantir que nunca o Matheus ganhou um tapa ou beliscão tanto de mim como do meu marido.
Sei dizer "não", meu filho é educado com limites, e por ser único não é egoísta, muito menos tem o mundo ao seus pés .
É uma adolescente feliz e amado.
Não coloquei aqui tudo o que gostaria, mas o suficiente para resumir a minha opinião.
Feliz Dia do Amigo e muito obrigada por passarem por aqui.

51 comentários:

Guará Matos disse...

Um grande beijo do Dia do Amigo.
Você faz parte daquelas pessoas que mesmo distantes tenho respeito e admiração. Suas opiniões são conscientes, mesmo eu não concordando a admiro pela retidão que nos apresenta.
Querida, receba meu carinho.

Eduardo Medeiros disse...

Você está certa. Como fiscalizar tal lei? É uma inutilidade. Agora, de fato, o bom foi o debate que gerou, este sim, necessário. Creio que não se cria filhos com pancadas. Mas como você disse, pais precisam ter autoridade. Os filhos precisam sim de limites bem definidos.

Abraços do AMIGO, Eduardo Medeiros rsss

ValeriaC disse...

Tem razão querida, fica dificil esta lei ser fiscalizada.
Como mãe de dois filhos, com toda certeza, podemos educar, somente colocando limites claros aos filhos e com muito diálogo.
Beijinhos...
Valéria

pensandoemfamilia disse...

Olá
Passei para conhecer o seu blog
penso que leis com esta não resolvem a questão da violência, precisamos de políticas públicas que deem condições de vida às famílias (educação, saúde, moradia).
Bom perceber os jóvens preocupados com as questões sociais.
Parabéns pelo seu blog.

Misturação - Ana Karla disse...

Mariana, criança deve ser criada com respeito e dignidade, assim será um adulto sadio e honesto.
Estás certíssima nesse post.
Feliz dia do amigo.
Xeros

Maria José disse...

AMIZADE
Não é receber, é dar.
Não é magoar, é incentivar.
Não é descrer, é crer.
Não é criticar, é apoiar.
Não é ofender, é compreender.
Não é humilhar, é defender.
Não é julgar, é aceitar.
Não é esquecer, é perdoar.
Amizade..
É simplesmente AMAR.
Feliz dia da amizade.

ZÉ IGNÁCIO GODOY disse...

parabéns...sempre antenada e mantendo uma postura crítica e verdadeira!
tenho meinha opinião formada e não vou discutir mas...conselho, limites e palmadas são atitudes e direitos inerentes aos pais, pois existem filhos e filhos!

Anne Lieri disse...

Mariana,eu concordo com vc!Bater só gera mais revolta e nunca educou ninguem!Um excelente texto para conversar por horas!Um feliz dia da amizade pra vc tb!Bjs,

Anne Lieri disse...

Mariana,eu concordo com vc!Bater só gera mais revolta e nunca educou ninguem!Um excelente texto para conversar por horas!Um feliz dia da amizade pra vc tb!Bjs,

Anne Lieri disse...

Mariana,eu concordo com vc!Bater só gera mais revolta e nunca educou ninguem!Um excelente texto para conversar por horas!Um feliz dia da amizade pra vc tb!Bjs,

Anne Lieri disse...

Mariana,eu concordo com vc!Bater só gera mais revolta e nunca educou ninguem!Um excelente texto para conversar por horas!Um feliz dia da amizade pra vc tb!Bjs,

Mari Amorim disse...

O Amor nunca deverá ser responsabilizado por dores,perdas ou danos e tem amplos poderes para neutralizar todas as batalhas, sejam elas emocionais, familiares ou sociais...FELIZ DIA DO AMIGO,
BOAS ENERGIAS!
Beijos,
Mari Amorim
Brincando Com a Rima

Ives disse...

Olá, adorei! abraços

Cacá disse...

O tapa passou a gozar de um status da maior violência que se pode cometer contra uma criança. Acho que há violências piores, sem que se enconste um dedo numa criança. A chantagem, castigos no escuro, palavras de rejeição, enfim, é realmente polêmico e não quer dizer com isso que eu defenda uns tapas. também sou contra toda espécie de violência. O que eu eacho estranho é que o legislador não se preocupa com o tecido social inteiro. Vai fazendo remendos que podem não resultar em uma bela colcha de retanhos. pode resultar em frangalhos. Esta é uma opinião ainda em ebulição. Seu artigo lançou mais luzes nas reflexões que vamos fazendo pela caminhada. Obrigado e um forte abraço. Paz e bem.

Mauro S disse...

Eu apanhei algumas vezes, e naquela época a educação era outra, hoje existem leis que protegem o adolescente e olha os problemas que há por aí.
Tem muita coisa errada, cada vez mais há menores que infrigem as leis, ninguém mais te dá segurança, é um descontrole só, e ninguém faz nada, mas não vou entrar neste debate.

Quanto aos selos, eu aceito!
Coloco o selo, agradeço quem me enviou, deixo o link e repasso para alguns ou deixo aberto para quem quiser pegar (minha preferência), o que não aceito são os memês porque sempre vai haver uma lista para ser respondida ou que fale da gente ou não, e não quero participar de nenhuma.

Beijos, feliz dia do amigo e ótima semana, Mauro

Pepi disse...

Olá Mariana,
Obrigada pela visitinha
"Nós" adoraríamos conhecer o pituco...
Coloque uma fotinha dele no Blog...
Feliz dia do amigo para você
Lambeijos e Ronrons
Pepi e Xixo

007BONDeblog disse...

Mariana

Boa tarde

Polêmica essa questão. Acho que devemos mesmo caminhar para uma educação sem castigos físicos, porém sem abrir mão da autoridade e da responsabilidade em relação aos nossos filhos. Educação é acima de tudo exemplo, coerência, e, punição quando for o caso, sempre com diálogo. Difícil né ?!

Um abraço fraterno nesse Dia do amigo. Sucesso e parabéns pelo blog.

mimbre disse...

Hola Mariana...
AMIGA MIA¡
Sos lumbre en la oscuridad
Agradable compañia de mi camino
Socia incondicional de toda aventura.
Almohada para mi llanto
Oídos para mis alegrias
Sos una hermana de la vida¡¡
Feliz Día del Amigo¡¡
Osvaldo
Pd:Buena entrada,Mariana, la crianza de los hijos...Todo un tema¡

Luís Coelho disse...

Não há duvida que os tempos mudaram e hoje, percebemos, que não é preciso bater, para os nossos educandos aprenderem.
Por vezes outro tipo de castigo é pior que bater.
Um abraço a todos os/as amigos/amigas

lucidreira disse...

Fica difícil ter quem denuncie.
PS: Com a passagem do dia 20 de julho de 1969, dia em que o homem pisou no solo lunar, ficou instituido o dia do amigo ou amizade.
Que parabenizar pelo dia e dizer, amigo e coisa pra se guardar e também disfrutar.
Abraço

alegria de viver disse...

Olá querida

Muito obrigada.
FELIZ DIA DO AMIGO

Com muito carinho BJS.

M. Sueli Gallacci disse...

Querida Mariana,

Excelente o teu blog... Encontrei vc no blog do Cacá e já gostei muito do que li.

Abordou um assunto essencial e levantou uma questão muito séria: não adianta a lei sem fiscalização, é mais um amontoado de pareceres que todos já estão carecas de saber e continuam fazendo vista grossa.

Nunca tive nada contra a palmadinha na hora certa, levei algumas da minha mãe (bem merecidas rsss) não morri, não fiquei revoltada, mas acredito que nos dias de hoje, onde os pais andam meios neuróticos com os tempos modernos, é melhor educar sem elas para não se correr o risco de haver exageros.

Aqui em casa, só o meu filho levou algumas, minhas e bem chochas de causar risos, mas mesmo assim, me doíam por dentro, e o arrependimento vinha instantaneamente com beijos estalados, o que de nada adiantava... rsss

Acredito que a única maneira de educar além da disciplina e de impor limites, é com exemplos: este sim surte efeito.

Um Gde Bjo!

Sueli disse...

Adorei tudo que você escreveu. Eu, criança criada não com tanto carinho por parte de meu pai, posso dizer que sou totalmente contra a violência contra a criança! Beijo grande!

Pena disse...

Estimada e Brilhante Amiga de Bem:
Olhe, também sou contra. Nunca bati nos meus filhos, asseguro-lhe.
Quando diz, de forma pertinente:
"...A criança deve viver num ambiente de amor, de respeito..
Para educar não é preciso agredir, há diálogo e castigo, e é assim que educo meu filho que tem 14 anos..."

Cada vez a considero mais possuidora de bem e de valores e princípios de maravilhar.
É perfeita.
Jamais agredi ou usei de violência, mesmo naqueles momentos de perder a cabeça, sabe?
Trata-se de respeito e educação que começa de infância. Em tenra idade.
Parabéns pela sua fabulosa abordagem.
Admiro-a imenso e respeito-a de forma gigantesca.
Beijinhos de parabéns pela abordagem de justiça e tranquilidade, aliada ao bem-estar da família.
Com admiração constante e sempre.

pena

É brilhante, sabia?
Bem-Haja, fantástica amiga de bem.

Anônimo disse...

Querida Mariana,estamos do mesmo lado!Violência gera medo e não respeito.Quem opta por agredir uma criança ou adolescente,em vez de educar com sua presença e exemplo de comportamento é gente preguiçosa e muito menos pra gente egoísta.Educar dá muito, mas muito trabalho.Não basta falar apenas uma vez, mas inúmeras, até que a criança nos compreenda.Mas só sabe disso quem é presente na vida dos filhos. Outro aspecto é que quem agredi uma criança ou adolescente é muito covarde.Do contrário daria palmadas em todo mundo que contraria a sua vontade.Só não o faz porque sabe que tem grande chance de levar uma porrada de volta. A verdade é que as crianças e adolescentes são exatamente o que fazemos deles, para o bem ou para o mal. Diga-me como se comporta o seu filho e eu te direi quem és. Muito obrigada pela oportunidade de me expressar e um grande beijo neste dia especial, flor! Márcia de Noriê

Anônimo disse...

Querida Mariana,estamos do mesmo lado!Violência gera medo e não respeito.Quem opta por agredir uma criança ou adolescente,em vez de educar com sua presença e exemplo de comportamento é gente preguiçosa.Educar dá muito, mas muito trabalho e não é pra gente preguiçosa e muito menos gente egoísta.Não basta falar apenas uma vez, mas inúmeras, até que a criança nos compreenda.Mas só sabe disso quem é presente na vida dos filhos. Outro aspecto é que quem agredi uma criança ou adolescente é muito covarde.Do contrário daria palmadas em todo mundo que contraria a sua vontade.Só não o faz porque sabe que tem grande chance de levar uma porrada de volta. A verdade é que as crianças e adolescentes são exatamente o que fazemos deles, para o bem ou para o mal. Diga-me como se comporta o seu filho e eu te direi quem és. Muito obrigada pela oportunidade de me expressar e um grande beijo neste dia especial, flor! Márcia de Noriê

angela disse...

Quanto a essa lei, concordo que bater não é o melhor caminho, mas 90 dias de reclusão é piada ou areia nos olhos para nos distrair de alguma coisa. Quem cuidará da criança? Onde serão recolhidos os pais? Quem os julgara? Como ficam os outros problemas da infância? Já não existem leis que punem a agressão física? Essas são sõ algumas perguntas, acho que se fizesse todas as que tenho ficaria um comentário imenso. Por isso acho que é a areia nos olhos.
Bom dia do amigo.
Beijos

Marilu disse...

Querida amiga, educar se faz com palavras e atitudes, nunca com palmadas. Esse tipo de procedimento só revolta mais a criança...Beijocas

Rosemildo Sales Furtado disse...

Hoje ao acordar e fazer as minhas orações, agradeci a DEUS por ter-me proporcionado a graça de conseguir grandes amigos.

Muito obrigado pela sua amizade.

Beijos no coração e feliz dia dos amigos.

Rosemildo Sales Furtado

Celina disse...

QUERIDA MARIANA VIM AGRADECER O TEU COMENTÁRIO .ACHO HORRIVEL VER UMA CRIANÇA SER ESPANCADA. MUITO INTERESSANTE ESTE SEU PENSAMENTO, NÃO CRIAMOS OS NOSSOS FILHOS COMO FOMOS CRIADOS,APANHEI MUITO TAMBÉM, CASTIGO E DIÁLOGOS DA MELHOR RESULTADO. UM ABRAÇO CARINHOSO NO DIA DO AMIGO. CELINA.

Isadora disse...

A intenção é ótima mas como já disseram acima como fiscalizar a lei? Acredito que essa deva ser um postura de pais e não uma lei, mas...
Um grande beijo por hoje

Meire disse...

Realmente, eles perdem tempo com certas leis que ao meu ponto de vista são um tanto absurda! Sei que tem pais que exageram nas palmadas com os filhos...mas dizer como os pais devem educar seus próprios filhos acho um desaforo mesmo! Por isso toda essa polêmica em torno deste assunto. Belo post! bjju

legalmente loira... disse...

PRA VOCE O MEU CARINHO

Queria dizer que eu poderia pegar
uma mensagem qualquer e te enviar, mas preferi colocar algumas palavras
para VOCE que é a pessoa que me faz bem, esta presente nos meus dias
bons e ruins e me faz companhia através dessa tela.

Chorei com
algumas histórias, chorei de tanto rir, fiquei triste com partidas, mas
sou mto feliz com VOCE que me deixa fazer parte da sua vida e divide
comigo seus momentos.

Muito Obrigado por sua confiança, sua
amizade...
Receba sempre meu Respeito, Carinho e Atenção. Gosto mto
de VOCE.

FELIZ DIA DO AMIGO

Bjo carinhoso..

José disse...

São leis feitas em cima do joelho.
porque não tem como controlar.

beijinho,
José.

FERNANDO disse...

Bom dia, Mariana.
Acho que era Rui Barbosa que dizia "A LEI, ORA A LEI..." e "AOS AMIGOS TUDO; AOS INIMIGOS, A LEI".
No mais, espancar não educa, mas sim traumatiza. O negócio é saber afrouxar uma rédea enquanto se puxa a outra.
Beijos.

Phivos Nicolaides disse...

Obrigado Mariana pela visita e comentário Seu blog é lindo. Se você tiver tempo, visite o meu blog de viagem, que está em Inglês e em grego AQUI!!

Aline disse...

Sim,educar nao siguinifica dar palmadas,mas sim conversar.Essa lei foi muito bem colocada!

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga.

Penso que uma lei é valida,
quando as pessoas entendem o
seu sentido.
Em um país qua não se obedecem leis de trânsito,
onde a educação precisa de grandes avanços,
e as pessoas se perdem no individualismo,
não sei se esta lei será aplicada,
afinal,
onde há maor,
não há violência.


Alegrias plenas para ti.

"Cantinho Poético" disse...

"Não permita
que a vida passe sem que as pessoas
saibam o significado
que elas tem para você."


(Pe.Fábio de Melo)

Feliz Noite e carinhos meus! M@ria

Beatriz Prestes disse...

Amor, respeito, carinho..responsabilidade!!
Aplausos minha querida!
Beijo com carinho
Bea

Cris disse...

Se "o direito a um lar, alimento, educação, segurança e principalmente amor", como vc bem disse, não são fiscalizados, muito menos as palmadas.
Beijos!

Aprendizes do Beija-Flor disse...

Educar é dar limites e explicar por que está sendo castigado, tirar o que a criança gosta de fazer, para saber que tudo que se faz tem consequencias, a criança precisa pensar, para mudar de atitude.
Abraços.
Maria clara

Pepi disse...

Boa Noite,Mariana
Gostamos muito da sua postagem...surra não educa ninguém
Obrigada pela visitinha
Lambeijos e Ronrons
Pepi e Xixo

Tais Luso de Carvalho disse...

Oi, Mariana: olha, acho uma bobagem esta lei da palmadinha... Há alguém para fiscalizar se a criança está comendo? Há alguém para fiscalizar se a criança está estudando? Há alguém para fiscalizar se a criança é feliz, ou se vive em constante perigo, perto das drogas, de pedófilos, de gangues e outras atrocidades? Aí vem o caso da palmadinha como se com isso fosse estancar o massacre de nossas crianças. Pelo amor de Deus, né?! Parece que não se tem nada para fazer neste país tão louco.

Beijos, querida.
Tais luso

MARIANGELA BARRETO disse...

Mariana,

Adorei teu blog. Seu texto é bastante relevante e procedente.É improvável fiscalizar esta lei, o que vale é a discussão sobre o tema e a consciencia de que criança tem que ser tratada com respeito, limites claros e muito diálogo.
Eduquei meu filho..conversando muito,pondo limites,mostrando as contradições,abrindo o jogo.. hoje somos amigos e nos amamos.
Voltarei mais vezes, parabéns!

beijos
Mariangela

Daniel Savio disse...

Realmente vai ser dificil de fiscalizar, e talvez acabe com uma forma de caçar as "bruxas", pois a maioria dos casos vão ser de denuncia anonima...

Fique com Deus, menina Mariana.
Um abraço.

Ester Lins disse...

Olá
Concordo de certa forma com sua opinião e com o abordamento do debate que surgiu em volta dessa questão. Provavelmente com a lei, muitas crianças deixem de apanhar, mas muitas delas com desvio de caráter proveniente de má educação, podem se aproveitar disso para desafiar os pais. Talvez agora os "pais" não batam mais em seus filhos, mas e aqueles que batem e sabem que serão punidos de alguma forma, como solucionarão esse problema que eles mesmos causaram, sendo um Alexandre Nardoni? Questão complicada a ser pensada em vários quesitos, há muitos prós e contras, como sempre. E o que nos resta é sempre a esperança que não haja mais agressões, mais consciência da população em geral e que leis como essa venham a agregar coisas boas e não mais violência.
Parabéns pelo blog e pelas palavras! Divulgando opiniões tão sensatas e debatendo-as, tenho certeza de que estamos caminhando para um futuro melhor.

Cecél Garcia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cecél Garcia disse...

LEI DA PALMADA.



Ao que parece estamos caminhado para uma vitoriosa e indiscutível forma de "educar nossos filhos". Que é a de proteger, por decreto-lei, as crianças em relação aos pais que as querem educar através de agressões físicas.

Num passado poderíamos até compreender tais agressões como um instrumento de correção e doutrina, isso em razão de não existir informação inerente para aqueles que só encontravam nas palmadas, castigos severos e psicológicos uma forma inequívoca de passar bons ensinamentos e comportamentos pessoais e sociais.

Porém, nos dias de hoje essas informações e formações jorram por um imenso manancial de conhecimentos qualitativos.

Até porque se "palmadas de amor" educassem sem efeitos colaterais e nocivos, não haveria lágrimas daqueles que a recebem.

Pois, quando um pai ou mãe opta pela agressão, esta – subtextualmente – agredindo sua própria ausência de sensibilidade e incompetência de amar, verdadeiramente, seu filho (s).

Uma reflexão aos pais que acreditam na imposição da violência..."Se teu filho nascesse sem os braços ou as pernas, você agiria dessa maneira, ainda sim?




Cecél Garcia

Cecél Garcia disse...

LEI DA PALMADA.



Ao que parece estamos caminhado para uma vitoriosa e indiscutível forma de "educar nossos filhos". Que é a de proteger, por decreto-lei, as crianças em relação aos pais que as querem educar através de agressões físicas.

Num passado poderíamos até compreender tais agressões como um instrumento de correção e doutrina, isso em razão de não existir informação inerente para aqueles que só encontravam nas palmadas, castigos severos e psicológicos uma forma inequívoca de passar bons ensinamentos e comportamentos pessoais e sociais.

Porém, nos dias de hoje essas informações e formações jorram por um imenso manancial de conhecimentos qualitativos.

Até porque se "palmadas de amor" educassem sem efeitos colaterais e nocivos, não haveria lágrimas daqueles que a recebem.

Pois, quando um pai ou mãe opta pela agressão, esta – subtextualmente – agredindo sua própria ausência de sensibilidade e incompetência de amar, verdadeiramente, seu filho (s).

Uma reflexão aos pais que acreditam na imposição da violência..."Se teu filho nascesse sem os braços ou as pernas, você agiria dessa maneira, ainda sim?




Cecél Garcia

Ronaldo Weigand Jr. disse...

Mariana, concordo com você e compartilho um blog que trata do assunto: http://oqueaprendicomsofia.blogspot.com/