quarta-feira, maio 26, 2010

As vira-casacas

Fico sempre de pé atrás com pessoas que passam por uma metamorfose radical, virando justamente o oposto do que eram.
Quando li um depoimento da outrora Regininha Poltergeist, furacão sensual, musa de Fausto Fawcett e que teve breve carreira como atriz pornô, dizendo que hoje atende pelo nome de Regininha Pentecostes, me deu um frio na espinha. De louca a santa? Ora. De louca a louca e meia.
Acabei lendo um pouco mais sobre essas “perdidas” que se transformam em crentes, as Marias Madalenas deste século.
E soube que algumas ex-capas de revistas masculinas hoje estão a serviço da castidade e da abstinência, inclusive pretendem estrear um programa na linha do Saia Justa para “levar uma visão de Deus a assuntos polêmicos”.
Pregam que sexo, agora, só depois do casamento. Dizem que foram traídas por quase todos os homens que tiveram e que já se pegaram entre elas a socos para defenderem a posse de seus bofes.
Hoje, arrependidas, concluem que só lhes resta ajoelhar e orar.
O famoso meio-termo, nem pensar. É como se um gremista fanático virasse colorado do dia pra noite, ou vice-e-versa.
Sou a primeira a incentivar que as pessoas reavaliem suas escolhas e, caso estejam desgostosas, mudem, se deem a chance de vivenciar novas experiências.
Faz parte da dinâmica da vida. Alguns baladeiros notívagos hoje dormem depois da novela e acordam às 5h. Garotas de programa se apaixonam, casam e têm filhos, virando fidelíssimas esposas. E, se alguns céticos passam a frequentar a igreja, ótimo, nenhuma contradição, estão em movimento, desde que não inventem de se transformar em novos messias.
Prefiro comprar um carro usado da Rita Cadillac a um da Regininha Pentecostes. Desconfio de pessoas que trocam de nome, que “renascem depois do acidente”, como se fosse um acidente ter vivido uma história que já não lhes interessa mais.
Há muitas coisas que fizemos e não voltaríamos a fazer, estamos sempre em busca de crescimento, e trocar de ideia e de hábitos é parte natural da aventura de estar vivo, mas posar de convertida? É acreditar demais em pecado e salvação.
Todos nós temos um pouco de loucos e de santos, somos modernos para nos vestir e caretas para educar os filhos, corajosos para esportes radicais e apavorados para sair de carro à noite. Se há algo que nos torna criaturas saudáveis é justamente o fato de sermos flexíveis, diversos. E divertidos! O passado passou, não é preciso negá-lo e virá-lo do avesso para legitimar uma nova persona, isso mais parece penitência. Engessar-se num único perfil, seja qual for, é doentio. Nada nos define. A não ser o nosso time, claro."
Martha Medeiros
Fonte: jornal Zero Hora

18 comentários:

Por toda minha Vida disse...

Concordo, já vi pessoas perto de mim e suas mudanças radicais e surreais. Não acredito nesta coisa imediata, tenho um pé atrás, desconfio. Quanto as Regininhas da vida que criaram esta imagem para se livrarem vai precisar de muita oração e borracha,rsrsrs, quer saber azar o dela que acha que convenceu.

Beijo.

Everson Russo disse...

Pessoas até podem mudar pela vida,,,mas jamais de personalidade....um beijo de bom dia.

ValériaC disse...

É amiga...cada louco com sua loucura...também acho estranho, até mesmo de uma radicalidade desnecessária, mas parece que as certas pessoas sentem uma necessidade deste tipo de atitude, às vezes.
Beijos...

Miguel Eibel disse...

Bom dia!
Realmente ter sempre a mente aberta a novas idéias é sempre bom e saúdavel mas trocar de vida radicalmente como fazem estas criaturas que vc citou é jogo de marketing não tenha duvidas!
Tudo de bom e uma linda e produtiva tarde!

http://migueleibel.blogspot.com

Daniel Savio disse...

Para mim, os extremos que são perigosos, que excluem qualquer outra opinião que seja a deles (por exemplo, atés era a gostosa que falava mal de religiosos, agora reviu a ideologia e virou A religiosa com conhecimento do mundo do pecado)...

Resumindo, concordo contigo.

Fique com Deus, menina Mariana.
Um abraço.

Cacá disse...

Conheço muitos casos e não sei se esse é apenas mais um , em que essa mudança de foco, digamos assim , seja apenas por causa de maior rentabilidade. Falar ou viver de amor ou de perdição sempre foi um negócio lucrativo, só que o primeiro desgasta a imagem menos do que o segundo caso. Eu tive um colega de trabalho que usava a seguinte frase para os "convertidos, os arrependidos": "entregou a carne para o diabo comer e depois entrega os ossos para Jesus." Uma uma analogia fantástica. Abraço grande. Paz e bem.

Eduardo Medeiros disse...

Gosto muito do que a Martha escreve. Mas acho que nesse texto ela não decidiu se uma pessoa pode mesmo mudar ou não. Ela desconfia da mudança e ao mesmo tempo, acredita na mudança.

Evidente que há muito de vitrine em certas "conversões" de artistas fracassados.

Mas eu quero aqui defender as que resolvem mudar de verdade. Aquelas que viveram e suportaram a vida maluco das celebridades fazendo malabarismo para se manter na mídia, inclusive fazendo filmes pornô que é o fundo do poço, o último suspiro para tentar não ficar obsoleta. (nada contra os filmes, estou analisando a existência).

Algumas de fato cansam, param e resolvem mudar. Decidem resignificar a sua própria vida. E se a espiritualidade foi o caminho escolhido como suporte, que mal hã?
Porque o preconceito contra "ex"?

Evidente, ninguém é absolutamente anjo nem absolutamente demônio. Entre um e outro há infinitos degradês.

Tais pessoas não mudaram de personalidade pois esta de fato, não muda. Mudaram foi de "caráter" ou de "moral" ou a visão de mundo.

coloquei caráter e moral entre aspas pois não considero mal caráter ou sem moral, quem faz pornô ou quem vive de mostrar a bunda em revista.

É que os termos já estão gastos pelo tempo e como não achei outros...

Um abraço

Pensador disse...

Gostei do texto. Eu posso ser radical na minha opinião mas, para mim, o nome correto deste tipo de atitude é hipocrisia.
Dizer "eu era assim, me arrependi de minhas escolhas e agora sou assado", é uma coisa, negar toda uma vida anterior como se fosse outra pessoa, é ridículo.
Se acham tão importante converter pessoas à nova atitude, por que não assumir os erros e tentar mostrar exemplos a partir deles?

Guará Matos disse...

Eu também dou logo um salto de espanto!
São jogos de cena e oportunismo! A picaretagem anda solta e, bastante prraticadas nas igrejas, sejam de religião for.
Bjs.

Wanderley Elian Lima disse...

Oi Mariana
Aplausos. A isso eu chamo de cara de pau, é pensar que todo mundo é otário para acreditar numa conversão dessa. dizimo deve estar rendendo mais que programa.
Bjs

Mila disse...

Acredito em mudanças de comportramento...mas quando isso vira mídia daí já é outra coisa, que sabemos muito bem o que é...
Bjs
Mila

wcastanheira disse...

A Marthe é uma conterrânea genial, postar Martha é a certeza de ir na fonte, na veia, vc esteve iluminada, bjos, bjos e bjossssssssss

Cris disse...

Eu prefiro falar e julgar à mim.
Ficar achando o que o outro pensou, pensa ou fez é muito subjetivo.
Vivemos de acordo com a nossa realidade. Podemos estar completamente errados em nossos conceitos.
Beijos Mariana!

angela disse...

Um texto bem atual e com ponderações muito pertinentes. Também desconfio dessas mudanças radicais.
beijos

Janeisa Tomás disse...

mari, acredito que muda apenas a fachada, a essência continua a mesma, é como se fôssem lobos em peles de cordeiro.
Bjs querida
Janeisa

Chica disse...

Muito bem abordado pela Martha...Ela sempre acerta!beijos,chica

ONG ALERTA disse...

Tudo por conviniência...ninguém muda tão radical...
Beijo Lisette.

Caminhos Poéticos disse...

Não deixe portas entreabertas
Escancare-as
Ou bata-as de vez.
Pelos vãos, brechas e fendas
Passam apenas semiventos,
Meias verdades
E muita insensatez.

flora Figueiredo


Amor & Paz na sua noite!!