terça-feira, janeiro 18, 2011

A Má Educação Urbana

Hoje faz um mês da última atualização.
Não esperava ficar tanto tempo, enfim,é fato.
Estou numa fase de reflexão,de mudança, talvez Natal,ano novo e aniversário tenham contribuído.
Voltei domingo de SC,levantava as 6:30 h e ia com o meu chimarrão para a beira da praia,apreciar o mar e conversar com ele.
Valeu muito o bate-papo.
Estou bem e estou de volta.
Um forte abraço.


Primeira postagem de 2011
A MÁ EDUCAÇÃO URBANA
O custo da falta de civilidade

Em um ano, a Brigada Militar recebe mais de 300 mil trotes no Estado. Todos os meses, 6,6 mil orelhões são danificados. Diariamente, mais de 400 motoristas são multados por estacionar o carro em local proibido.

Os números escancaram como a falta de civilidade conturba a vida de gaúchos e brasileiros, desafiando sociedade e autoridades a encontrar soluções. Em Porto Alegre, deverá ser lançada nas próximas semanas uma campanha destinada a combater a má-educação urbana.

A sociedade não percebe o que é público como seu. O resultado disso é a necessidade de que o Estado esteja presente em tudo o tempo inteiro – avalia, lembrando que o perfil patrimonialista do Estado brasileiro reforça esse sentimento.

As razões

Confira algumas das hipóteses de especialistas para explicar as origens da falta de educação social dos brasileiros: -
Até os anos 50, preponderava no país a cultura interiorana nascida da tradição rural. As relações baseadas no conhecimento interpessoal e no respeito a autoridades, porém, entraram em colapso com a rápida urbanização – e ainda não foram substituídas por outro código de comportamento.
- Os brasileiros têm dificuldade de perceber os bens de uso público como seus, o que favorece o descuido e a depredação. Isso pode ser explicado pelo caráter patrimonialista do Estado, que enfraquece o controle social, e pela tendência da população de esperar soluções sempre dos governantes.
- No Brasil, uma frase comum é “você sabe com quem está falando?”, denotando prepotência associada a poder econômico ou político. Em países desenvolvidos, é mais comum a frase “quem você pensa que é para falar assim?”, indicando maior consciência sobre deveres e direitos iguais.


Pichação
1.254 prédios públicos ou privados da Capital danificados por vândalos nos últimos quatro anos e sete meses. As pichações resultaram em 88 adultos e 159 adolescentes autuados e identificados.A prefeitura de Porto Alegre não dispõe de informações, porém, do quanto a depredação onera os cofres públicos.

Telefones
6,6 mil orelhões 10% dos 66 mil aparelhos do Rio Grande do Sul) sofrem, a cada mês, em média,algum ato de vandalismo. Os casos mais comuns envolvem danos às leitoras de cartões, ao fone, ao teclado, pichações e colagem de propaganda.

Iluminação pública
R$ 188 mil de prejuízo nos últimos três anos em decorrência de atos de vandalismo contra a iluminação pública da Capital, obrigando a reposição de luminárias, cabea mento, reatores e postes.

Trânsito
157 mil multas aplicadas em 2010 por estacionamento indevido em todo o RS
– o 3º tipo mais comum de infração,conforme dados preliminares Detran. Além de prejudicar a circulação dos demais motoristas, essa atitude atrapalha a vida de pedestres.

Segurança pública
327.770 trotes aplicados à Brigada Militar em um ano, apenas em Porto Alegre. São,em média, 37 ligações por hora, feitas geralmente por adolescentes,principalmente nas férias. Em janeiro do ano passado, foram 35.643,superando a média mensal de 27 mil. Além de causar desgastes desnecessários, os trotes ocupam uma das 15 linhas disponíveis no Ciosp da Capital, impedindo que ocorrências reais sejam informadas.

Transporte coletivo
90 ônibus, em média, da empresa Carris, da Capital, voltam para a garagem com algum dano provocado por passageiros mal-intencionados, a cada mês. O desrespeito envolve desde riscos na carroceria, fixação de adesivos e chicletes nos bancos – mais comuns – até ações mais graves como vidros quebrados ou lixeiras arrancadas. Isso significa que, em um mês, até um quarto da frota é vítima de alguma forma de falta de educação.
Fonte:ZH jornalista:Marcelo Gonzatto

21 comentários:

Luis Nantes® disse...

Nossa!! Belíssima postagem, viu? Cheia de informações precisas e um tremendo puxão de orelhas geral... Valeu!! Mandou muito bem e foi muito feliz em cada palavra, tá?
Beijos

Luis Nantes® disse...

Por favor, comente novamente, tá? Beijos

ONG ALERTA disse...

Mariana já estava morrendo de saudades, ficou bastante tempo off line, espero que tenha tido um bate papo com o mar maravilhoso lembra nós escolhemos o caminho e apartir dele é seguir em frente, existem pedras e desvios mas coloque sua meta em 1 lugar, quanto a educaçáo vem de dentro da casa de cada um...enfim precisamos de pais e máes mais firmes, beijo Lisette.

Misturação - Ana Karla disse...

Mariana, que bom que voltou e cheia de energias após conversas com o mar, hein!
Olha, é mesmo um grande absurdo a falta de educação do ser humano.
Esses números, junto com os demais estados são um horror maior ainda.
Uma campanha pode mesmo ajudar.

Mandou bem demais.

Xeros

Sonhadora disse...

Minha querida

Ainda bem que voltaste e bem, tinha saudades, eu também estive ausente...mas agora estou de volta e deixando um beijinho

Sonhadora

Wanderley Elian Lima disse...

Olá amiga
Dados tristes e alarmantes, dá até para perder a esperança de que um dia isso aqui vire realmente um país do primeiro mundo.
Bom que aproveitou bem as férias, eu também me divertir bastante, a leitura do livro já está bem adianta, mas rendeu menos do que eu esperava.
Bjux

Pena disse...

Estimada e Simpática Amiga:
Sem civismo, respeito e exemplar Cidadania não se consegue ser nada.
Parabéns pelo Post e desculpe não saber certas Instituições e designações que expressa.
Sou portugês.
Estimo um Brsil repleto de encantos mil.
Abraço grandioso ao seu Ser gigante, sublime e oportuno no que expressa com sensatez e pertinência.
Sempre a admirá-la

pena

Excelente!
Bem-Haja, preciosa amiga de bem.

Meus blogs - Fernanda Rocha disse...

Oie...é uma vergonha nosso país...um bando de gente mal educada (com várias exceções sem dúvidas). Mas o nosso povo tem mania de se gabar...de se achar comparável a povos de outros países mais desenvolvidos...,mas, não querendo dizer que um povo é melhor que o outro, mas muitos outros países possuem população que cuida de seus bens públicos e respeitam as leis...o brasileiro é um povo que tem que aprender a respeitar, respeitar o que tem de comum com os outros...precisamos se auto elogiar menos e agir mais...respeitar mais o patrimonio publico. abraçoss...ótimo post!

jader/zezi disse...

MARIANA...isto q descreves é coisa de BANDIDOS...de ANIMAL,não é coisa de gente, de ser humano...isto se chama falta de EDUCAÇÃO FAMILIAR, OU SEJA FAMILIA A COISA MAIS IMPORTANTE P/UMA SOCIEDADE, 1 PAIS Q QUER SE AFIRMAR PERANTE O MUNDO...enquanto os Governantes não derem...DIGNIDADE AS PESSOAS, e o q é DIGNIDADE...SAUDE,EDUCAÇÃO,SEGURANÇA...e em primeiro lugar EMPREGO AO CIDADÃO(A) p/ q ele(a) possam dizer ganho honestamente meu dinheiro para ajudar minha familia a ter dignidade...pois sem empregos a nossa juventude parte p/caminhos errados, para cias.erradas, enfim p/os descaminhos e acabam comentendo estes desatinos.- um abração jader martins.-

Cacá - José Cláudio disse...

Oi, Mariana! Que bom tê-la de volta! Seus textos sempre muito bons. Eu acho que a rua é como o jardim ou o quintal da casa da gente (uma espécie de extensão). A coisa púublica no Brasil, infelizmente, em vez de ser considerada de todos é tratada como de ninguém. O epíteto "selva de pedra" usado para designar as cidades eá em alta, pelo visto. Abração. paz e bem.

Guilherme Palma disse...

é uma realidade cruel, voce colocou muito bem isso. é clichê mas é verdade, antigamente se respeitava mais as autoridades e o patrimonio publico. a urbanização traz todos esses agravantes

FERNANDO disse...

Oi, Mariana.
Bom vê-la de volta depois de um mês - risos.
Dando tempo e jeito, passe lá no meu espaço para dois dedos de papo. Parece que todo mundo está em férias ultimamente, e a continuar assim, a coisa vira monólogo (risos).
Beijos, dona moça.

angela disse...

E isso acontece no pais inteiro. É muito triste de ver esse desperdício do dinheiro publico de um lado uma parte da população de outro os políticos e sobra pouco para qualquer melhoria.
Belo texto amiga
bom retorno
beijos

Phivos Nicolaides disse...

Oi querida agmiga. Happy New Year. Que tragédia! Rio

manuel marques disse...

Um 2011 de paz amor e saúde.

Abraço.

Eduardo Medeiros disse...

muito bom, mariana.

o porquê é sempre difícil de apontar, as causas são variadas. ainda temos um longo caminho no processo civilizatório. um dia chegaremos lá, espero.

abraços

Daniel Savio disse...

Realmente uma triste realidade que teiamamos fazer (pois é sabido que isto só nos prejudica)...

Fique com Deus, menina Mariana.
Um abraço.

soninha disse...

Ótima postagem!!!Que bom estar de volta...beijo grande.

Pensador disse...

Este tipo de atitude se combina com a infame "lei de gerson", onde as pessoas pensam estar "levando vantagem", sem perceberem que pagam junto com todos o preço dessa suposta vantagem.
A inexistência do sentimento do público, ou pior, a tendência a tratar o público como privado, além do prejuízo a longo prazo nos nossos bolsos, causa um imediato, que geralmente o vândalo não se lembra: um ônibus ou telefone depredado hoje, poderá fazer falta para ele mesmo, amanhã.
Beijos!

ValeriaC disse...

Oh minha querida estava com saudades!!!

Sei que as vezes nos faz muito bem tiramos um tempo para viajar lá em nosso interior... nos ajuda a termos forças em prosseguir a vida, no nosso melhor...

Beijinhos
Valéria

Socorro Melo disse...

Oi, Marina!

Que bom que está de volta, com as energias refeitas, animada, e feliz.
Essa falta de educação é mesmo uma tragédia, e ocorre de Norte a Sul do país, infelizmente. É uma tremenda falta de consciência, que nos indigna.
Muito interessante a campanha, do seu Estado, em prol dessa educação social.

Beijos :)
Socorro Melo